Como Controlar os Pensamentos – 3 Dicas Práticas para Ensinar as Crianças

Como Controlar os Pensamentos – 3 Dicas Práticas para Ensinar as Crianças
5 (100%) 1 vote

As crianças têm pensamentos ansiosos o tempo todo …

“Eu vou falhar na matemática e nunca entrar na faculdade.”
“Eu estou totalmente estragando essa conversa agora, e todo mundo sabe disso.”
“E se eu não for convidado para a festa? Eu serei humilhado pela vida.

A pesquisa nos mostra que os pensamentos de ansiedade são muitas vezes desproporcionais, distorcidos ou simplesmente confusos. No entanto, os pensamentos têm poder. Por quê? Porque os pensamentos influenciam sentimentos e comportamentos.

Um pensamento simples que passa pela mente de uma criança pode fazer com que ela se sinta assustada, preocupada ou triste; isso pode fazer com que eles fiquem de mau humor, retire-se ou encene.

Aqui está este ponto ilustrado de outra forma:

Pensamentos → Sentimentos → Comportamento

Exemplo:

“Ninguém gosta de mim.” → Tristeza e constrangimento → Ignorando a escola

Pensamentos ansiosos também podem se tornar habituais e levar as crianças a uma espiral descendente de negatividade.

Então, e se pudéssemos ensinar nossos filhos a recuperar um pouco desse poder? E se pudéssemos ensiná-los a escolher quais pensamentos eles “ouvem” ou reagem? Nós podemos. O primeiro passo neste processo é o foco do minucioso exercício consciente de hoje sobre a observação do pensamento.

Por que a atenção plena (mindfulness) é boa?

No final dos anos 1970, o psicólogo do desenvolvimento John Flavell deu um nome à ideia de que os humanos estão cientes de sua própria capacidade de pensar. A cognição sobre nossa própria cognição (ou pensar sobre o pensamento) foi rotulada de metacognição.

Como seres metacognitivos, temos a capacidade de nos desvencilhar de nosso próprio pensamento com o uso da meditação da atenção plena. De acordo com um pioneiro no campo, Jon Kabat-Zinn , a atenção plena é uma prática mental de permanecer presente no momento de maneira não crítica. No coração dessa prática está a ideia de que você não é seu pensamento .

Com isso em mente, o objetivo de nossos filhos é aprender a observar seus pensamentos como algo separado de si mesmos. Neste, é mais fácil ver que os pensamentos são transitórios; as crianças também aprendem que têm a opção de agir de acordo com seus pensamentos.

Um corpo substancial de pesquisas mostra que as práticas de atenção plena têm benefícios incríveis para as crianças. Aqui está uma pequena amostra de descobertas:

  • Pesquisas mostram que ensinar habilidades de atenção às crianças leva a um maior bem-estar e menos estresse.
  • Pesquisas mostram que a atenção plena (mindfulness) melhora a capacidade das crianças de se recuperarem dos desafios.
  • Pesquisas mostram que as crianças gostam de aprender técnicas de mindfulness; Em um estudo, 74% das crianças disseram que continuariam a praticar a atenção plena após o término do treinamento.

Como praticar a observar seus próprios pensamentos?

Ensinar as crianças a se desvencilharem de sua própria cognição parece um pouco complexo, mas não subestimemos nossos filhos – eles são extraordinariamente esperto e autoconscientes. É nossa responsabilidade aproveitar essa autoconsciência e alavancar o amor das crianças pela criatividade para tornar as lições relevantes. Em outras palavras, use uma linguagem que faça sentido e torne-a divertida!

3 exercícios práticos para ensinar as crianças a controlarem os pensamentos

  1. Ensine seu filho que os pensamentos são como trens que entram e saem de uma estação movimentada; eles podem simplesmente ficar na plataforma e assistir os trens passarem. Para praticar, peça ao seu filho para pensar em um pensamento ansioso recorrente. Agora, peça ao seu filho para visualizar o trem (pensamento) que chega à estação.
  2. Explique que quando o trem (pensamento) chega, às vezes ele simplesmente passa e às vezes pára por um tempo. Quando o trem (pensamento) fica na estação por um tempo ou permanece em nossa mente, eles podem começar a sentir emoções diferentes. Tudo bem sentir as coisas; não tem problema. Este é um bom momento para respirar profundamente e expirar. Concentre-se na respiração e não no trem, porque logo passará.
  3. Peça que seu filho “observe” enquanto o trem parte. Explique que com o tempo, assim como o trem, nossos pensamentos seguem em frente e ficamos para trás.

Estes simples exercícios podem ensinar nossos filhos a não reagirem a todos os pensamentos que tiverem. Nós podemos simplesmente observá-los. Ao fazer isso, o objetivo não é mudar nossos pensamentos, mas sim mudar nosso relacionamento com eles.

Os comentários foram encerrados, mas trackbacks e pingbacks estão abertos.